31/10/2017

Das (in)verdades


Sabes, eu não acredito, com aquele acreditar profundo, em coisa nenhuma. Mas acredito profundamente no que sinto. Se sinto, faz sentido. Sendo assim, só acredito no amor, na pedagogia do amor, honesto, puro, mas não cego.

*****
2017-10-31
nn(in)metamorphosis


10 comentários:

  1. Mas, ao acreditares no profundamente no amor, não estarás a acreditar naquilo que é verdadeiramente importante? O resto são só artifícios linguísticos...

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não vive a humanidade de artifícios? Não é disso que se alimenta? Relegando para a mediocridade, todos os que não se revêem na suas normas?

      Boa tarde Sô Gil, como tá TU?

      Eliminar
    2. Claro que sim, mas estás enganada numa coisa...
      ...a humanidade não relega para a mediocridade, porque vive lá.
      A humanidade já não aspira a mais que a mediocridade. A televisão é mediocre, a rádio é mediocre, os livros são mediocres...

      Os escritores que mais vendem no mundo (p.ex. Dan Brown) são mediocres, tal como os livros que escrevem (basta ler este ultimo do Dan, que é igual ao anterior, que é igual ao anterior,etc...), os músicos que mais vendem (p.Ex. Coldplay) são de uma mediocridade tão grande que dá dó...

      Mas é isso que é apreciado!

      Se não fosse, Big Brothers, casas dos segredos e loves on top desapareciam por ninguém os querer ver.

      Quanto muito são relegados para fora da manada cega que lê o que lhe dão a ler, vêem o que lhes dão a ver, ouvem o que lhes dão a ouvir e acham o maximo...

      Não me importo nada de ser relegado para fora da manada se poder ler o que quero, ouvir o que quero e ver o que quero!

      Quanto à tua pergunta, tou chateado pq me tiraram o discovery channel do analógico, que ainda era o unico canal que eu via na altura em que fazia o jantar...
      ...agora já não vejo televisão...

      (vês um exemplo em que a maioria, que quer ver a sport tv (que agora tenho gratuita e não quero)e canais de novelas brasileiras (que são coisas que já não vejo há anos, sejam brasileiras, tugas, mexicanas ou outras), dá cabo da única coisa que ainda valia a pena em pequenos pedaços da sua programação?)

      :)

      Eliminar
    3. Sabes, eu cá acho que as audiências são manipuladas. E que o auditório dessas coisas, são gente que liga a TV e adormece, uma forma de se sentirem acompanhadas, e de outra parte que preenche a vida com a vida dos outros. Ver aqueles tristes, deve dar-lhes um sentimento de: Há quem esteja pior que eu :-))
      Livros e músicas, viraram moda de vida curta e instantânea, e os seus ouvintes e leitores, são de ocasião - concertos e leitura dos resumos, fica sempre bem, uma foto do ESTIVE LÁ - ou fazer de conta que se é muito culto. No fundo a malta quer é copos, muitos, de preferência, a qualidade - qué isso?!


      Já não tenho rede analógica mas, terei de confirmar se ainda tenho o meu discovery.

      Tenho uma dúvida - Não sou formatada. Não faço parte da manada, nunca fiz - sou por isso patinho feio?
      :-))

      Eliminar
  2. era a única coisa que me fazia acreditar, era esse amor puro, simples mágico...hoje acho que é mais um alucinogéno para a mente, com uma diferença das restantes drogas, bate mais forte e depois dá uma ressaca 30 vezes pior (e às vezes dura uma vida)!

    Boa tarde Noname

    ResponderEliminar
  3. Não sei como batem as drogas, vou tendo conhecimento do que fazem, e não gosto.
    O amor honesto, puro, e simples e mágico, não se detém no amor por uma pessoa, ele é muito mais abrangente e, quem acredita na sua pedagogia, encontra-o e semeia-o, a cada passo, nas mais pequenas coisas.
    O amor, mesmo que honesto, puro, simples e mágico, não é imutável, porque nós, também o não somos. Por isso, acredito no que sinto, e o que sinto hoje, posso não sentir amanhã, da mesma forma.
    O ser humano é, por condição, imperfeito, mentiroso, dissimulado, até para consigo mesmo. Mas espera, sempre, do outro, a perfeição.

    Isto é o que sinto e o que penso, mas isso, sou eu, e vale o que vale.

    ResponderEliminar
  4. Se só te importa o que sentes - e é assim que deve ser - que te importa o que pensa, quem não pensa como tu?

    Beijos, NN.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não importa. Respeito a opinião de cada um, mas sigo trilhando as minhas convicções, até que, ou não, se manifestem erradas.

      Beijocas tantas

      Eliminar
  5. Se acreditas naquilo que sentes, essa já é a verdade da tua essência!Se essa essência é amor então espalhá-o por tudo e por todos, que a humanidade agradece mesmo que esteja cega!
    Bjs nn :)

    ResponderEliminar
  6. Eu ainda acredito, tenho de acreditar senão não consigo viver. Acredito em mim e em alguns, acredito no amor, na honestidade de alguns, na lealdade de outros, na amizade de muito poucos, num sorriso, na felicidade...
    Beijos Non

    ResponderEliminar

Os comentários são moderados - tão breve quanto possível, serão publicados. Grata pela compreensão.