20/03/2017

Das certezas




Nunca lhe chegara o exílio nas palavras escritas
Queria-o a viver na sua pele


 *****
2017-03-20
nn(in)metamorphosis 

08/03/2017

Tou consigo e não largo Sô D. Helena

fio de prumo: Mulher:

Quase todas as chamadas discriminações positivas têm em mim efeito contrário ao pretendido.  No dia de hoje é comum celebra-lo como sendo dedicado às Mulheres. A todas, sejam trabalhadoras ou ociosas, bonitas ou feias, inteligentes ou burras. Isto é, entende-se que o género feminino carece de atenção especial um dia no ano, algo que se assemelha ao grito de vida de quem possa sentir-se ostracizado nos restantes 364 dias.
Não esqueço, claro, o simbolismo do dia e o que ele representa, como não esqueço o que o sistema de quotas pretende atingir. Porém, o papel do género feminino sofreu transformações profundas e são estas que, a meu ver, alteram o significado do dia.
A "luta" das mulheres tem, agora, contornos bem diferentes e são esses que, do meu ponto de vista, convinha destacar e tentar resolver. Tempo houve, em que a sua "masculinização" foi uma etapa considerada necessária, frente a um mundo laboral dominado pelos homens. Essa fase está ultrapassada e aquilo de que nós hoje carecemos é, sobretudo, que nos não seja vedado o acesso aos postos de decisão, em completa igualdade de circunstâncias. Para isso, mais do que dar benefícios ao género feminino, importa repartir de forma paritária, aqueles de que o sexo masculino, até hoje, beneficia. Trata-se, afinal, da merecida partilha de deveres e de direitos que, esses sim, não se modificam consoante o género!
HSC