14/05/2017

"Uma igreja pobre para os pobres" vs " Una vida loca"


papa veio, ainda que, como peregrino

Podemos juntar mais dois santinhos ao espólio
Após 53 edições, ganhamos um euro visão da canção
O benfica ao fim de 113 anos ganhou um tetra

Não deixo, ainda, de ficar surpreendida com afirmações proclamadas com convicção, tão carentes de sentido e noção de realidade.
Ouça o que lhe digo, é um ano abençoado 
(Será que a fome no mundo acabou? que a carta dos direitos humanos deixou de ser blá blá? que se respeitam as crianças, os velhos, o planeta? Que a cor, credo ou orientação sexual deixaram de estigmatizar? Que todos têm direito ao trabalho e educação?)
Santinhos fazem-nos falta 
(Sempre me disseram que os da casa não fazem milagres)
Salvador Sobral, chegou lá e pôs Portugal no mapa
(Sim, ainda que escrito a lápis, estará agora inscrito na parte da frente do mesmo)
O benfica é  o maior e vive no meu coração. Até lhe digo mais, se para estar aqui, tivesse que falhar na prestação da casa, eu falhava, mas estava aqui. 
(Grande coração, só parece, não caber lá a família e a honra do dever e respeito pelos contratos assumidos)

Digam que tenho falta de humor, que sou radical, digam o que quiserem.
Esclarecer-vos-ei que: 
sou pura emoção!
não sei falar de passarinhos, quando abutres voam sobre a minha cabeça
nem de flores, quando só espinhos me ferem
não canto canções de amor, quando os meus ouvidos só ouvem hinos de guerra

Cuido para que este viver apressado, de olhos fixos  em ecrans sem fios, não me escravizem, nem me ceguem,  ao ponto de olhar, mas não ver, o que se passa ao meu redor. o que realmente importa.
A vida não é uma festa, enquanto se souber um ser com fome. com medo, desempregado, descriminado. 
(Quantos  milhões se torraram nestes 12 e 13 de Maio de 2017? - Quantas vidas se resgataram, quantos ensinamos a pescar, oferecendo-lhes depois, uma cana?)
Devíamos então, ficar tristes e macambúzios, deixando de viver porque muitos vegetam?
A pergunta fizeste tu - Responde-te - Talvez encontres o equilíbrio.

Diria que enchemos as nossas vidas, com as victórias dos outros, inserimo-nos no todo, como se dele fizéssemos parte, mesmo não contribuindo em nada.
Indagamos os que achamos poder dar, porque têm muito, ser sua obrigação e não o fazerem, esquecendo que: 
A maioria das grandes obras, são fruto do individual de muitos, com muito pouco, que se propuseram a fazer as suas próprias victórias, não esperando nem festejo, nem recibo. Ficando felizes pelo sorriso que plantaram no outro.


*****
2017-05-14
nn(in) metamorphosis




**** 
Não comentarei os vossos comentários, que agradeço, pelo simples facto de que, o que escrevi, é a minha forma de ver a vida nos tempos que correm, e cada um a verá à sua maneira e com as suas próprias razões, não menos válidas que a minha. 
:-)
 ****