OUTRAS PUPAS

Outras pupas

27/04/2012

Cantigas ao desafio III

 
Letras

Letras mais letras, palavras
arranjos, combinações, pontuações
ideias fortes ou fracas, confissões
furia, ira, medo, espanto
dor, desejo, amor e pranto
letras e mais letras a heito
em páginas torcidas pró efeito
batalhões de letras rascunhadas
sofridas, sentidas, suadas
tantas letras compassadas
e para quê?
pra nada.

             2012.03.22 - (vc)
 (Cópia integral devidamente autorizada)

                 ----------

Letras/Palavras

Esgueiram-se pelos dedos
Deslizam por eles fora
Tornam-se palavras
E a finalidade não sei…

Que algumas sejam lidas?
Outras m’aliviem a alma?

Traduzem-me o pensamento
Fazem parte de mim
Tranco-as numa folha
Branca, rosa, azul, marfim

       2012.04.27
nn(in)metamorphosis


26/04/2012

Nada

Este é o tempo dos mundos parados... Parada entre a fronteira do vazio da alma, (se ainda fumasse) rolaria o cigarro e expiraria o fumo como se quisesse deitar fora a mágoa que me aperta o peito... Folheio recordações...

**************** 
       2012.04.26
nn(in)metamorphosis


Cantigas ao desafio - II

Pranto ou a obliquidade do olhar


E se em ti me perdesse
Quando teus olhos me cruzam
Decerto perderia o interesse
O brilho que os meus acusam

Perdido o tino num pranto
E a noção da compostura
Esta alma sem descanso
Seria apenas escrava tua

Turvo se faz o pensamento
Com fortes laivos de loucura
Alma minha sem alento
Já não és minha, és sua


             2012.04.26 (vc)            
(Cópia integral devidamente autorizada)
           
                   -----------------

Ah quando há medo de viver
Quando há medo de arriscar
Até o brilho se perde
Num cruzamento de olhar

Porque ter medo é perder
Vai-se o tino a compostura
E tudo que for sentimento
Se apelida de loucura


          *****
       2012.04.26
nn(in)metamorphosis


20/04/2012

Cantigas ao desafio - I





"Desatinos em película fotográfica"


No espaço de um momento
Mil desejos, sentimentos
Horas perdidas, emoções
Momentos vividos de ilusões
Cambalhotas, sensações
Desatinos, frustrações
Meias palavras, gestos, acções.

Saudades, ai saudades,
De brincar aos amores
A preto, a branco, de todas as cores.
  
2012.04.16 - 19:32 (vc)
(cópia integral devidamente autorizada)
Brincar aos amores na perspectiva de um (des)conhecido



Li… e gostei, discordando

******

Deixo a minha perspectiva


Aos amores não se brinca
Brinca-se de casinha e de casinhos
de namoros assumidos de destino sucumbido
aos jantarinhos com velas, mas noutra coisa de olho nelas
E tudo isso se fotografa, por pouco valerem, logo passa
e há quem precise coleccionar memórias
Aos amores não se brinca
porque mesmo quando acabam
não morrem na memória
passam a preto e a branco
até a cores se for preciso
trazem sorrisos e lágrimas
sentimentos, sensações
meias palavras, gestos, acções
com a nitidez do momento
já sem causar sofrimento
fazendo parte da vida
e na vida
tento tido o seu momento

2012.04.19
nn(in)metamorphosis


06/04/2012

Palavra proibida

Amor, Amar, Amo-te
Palavras que se sentem mas, que nos proibimos dizer


Porém, de uma forma ou de outra, todos nós o escrevemos, o cantamos, e fazemos dele a nossa procura, o nosso objectivo, mesmo que de forma inconsciente.

Todos, mesmo os que o rejeitam à boca cheia, precisam dele.

Porém,  do mesmo modo que o queremos, temos-lhe um medo atroz.

Uma coisa é senti-lo, outra é dizê-lo, talvez porque achemos que ele nos desnuda por completo, muito para além do corpo.

Pensamos e encasquetamos que nos fragiliza perante o outro, e todos o escondemos, o calamos,
uns outros escondem-se por detrás de um eu??? Amar??? Ahahah eu vivo o dia a dia, blá blá blá…
A paixão é o que conta, ter uma mulher, um homem ás costas? Nem pensar!! Dá vontade? A gente engata um/uma mas, de manhã que leve a cueca com ele/ela.
 
Ainda há dias, numa conversa com um homem ele me dizia. “Sabes, tenho tudo, alcancei tudo e não tenho nada, começo a sentir que chegar a casa e estar só, o que antes me satisfazia, hoje deixa-me triste e com sensação de vazio. As amigas coloridas, a cama preenchida por algumas horas, com paixão, com sexo, que satisfazem o tesão, já não têm o gosto que tinham, falta sentimento, carinho, ternura”.

Falta alguém que nos olhe e nos pergunte de nós, querendo saber de nós, digo eu…

È uma pena, que a única coisa que nos poderia tornar a vida sublime, a gente esconda, ficando um à espera que o outro diga… e a vida passe sem glória nessa espera.
E se vejam homens a correr para braços diferentes todos os dias ( e mulheres também) e se vejam olhares tristes, pintados de falsas euforias, com mãos ocupadas num copo de vida nocturna, onde o único brilho verdadeiro é o das lantejoulas, porque os ares de fêmea ou macho muito independente, muito auto suficiente se desmorona aos primeiros raios da manhã, mesmo que as bocas digam que são imensamente felizes assim… mesmo que mais uma noite passada a fazer sexo tenha sido de arromba… será que foi?

Será que isso basta?

Será que no final, sejamos tão só predadores?

Quem terá a resposta, eu não!!!

              *****
           2012.04.06
  nn(in)metamorphosis