26/09/2016

Das (des)mudanças




Acordei cedo. Cedo e contemplativa. Olhando o tecto branco, qual ecrã de cinema, ia vendo passar cenas e mais cenas, umas em câmara lenta, outras a uma velocidade que mal se distinguiam. Mais um ano se passou e tudo mudou sem que nada mudasse: Um dia acaba e outro começa; o Verão finda e o Outono chega; a alegria hiberna, a esperança passa e, até a falta que se faz, o tempo cura.
E tudo muda sem nada mudar, e nunca isso foi tão óbvio como hoje.


****   
2016-09-26
nn(in)metamorphosis 


24/09/2016

Guardo um rio em mim


É no rio que em mim corre, que me percorro em tons de azul e fogo -
cor das minhas invictas raízes e do céu que nunca morre - cor do pôr do sol na savana e das terras do semba. E minha alma feliz, pintou no meu corpo,um imenso campo de flores de todas as cores e de todos os perfumes



*****
24-09-2016
nn(in)metamorphosis