OUTRAS PUPAS

Outras pupas

12/09/2012

Cantigas ao desafio XIII


Quando:
o solitário é vencido pela solidão
o nómada ergue a primeira parede
a lua eclipsa o sol
o infeliz alegra-se
a muralha é rompida
a água já não molha
o sarcástico é gozado
o verso já não rima
e a chalaça chora
São momentos raros, de pura ironia.

Há momentos ainda mais raros: quando um simples gesto me tolhe a voz e dou comigo a tentar domar a comoção

                  2012-09-11 (vc)
Cópia integral devidamente autorizada

*****

Quando
Falando sozinha
Já não meço as palavras
Vou cuspindo as minhas mágoas
Açoitando a alma em vão
E se sorrio ainda
Não é mais que desespero
Vou libertando demónios
Em cada linha que escrevo
Escalpelizo os sonhos
Sinto tão próximo o fim
Não sei se pelo gosto do sangue
Das palavras que saem de mim

Momentos raros em que me permito saber o gosto da solidão

       2012-09-12
nn(in)metamorphosis


1 comentário:

  1. Que dizer-te, amiga?...
    Quando se é confrontado consigo próprio e nada do que outrora foi considerado importante se não coaduna agora com a nossa realidade interior que deveria ter crescido com a vida e foi atrofiada por utopias, quimeras e olhares e risos muitas vezes cruéis... a nossa humanidade contorce-se de desespero e condói-se de si mesma.
    Por isso viver com os nossos fantasmas se torna um exercício cada vez mais difícil, rasando o doentio.
    Preparar o espírito para o entendimento de tudo isso... só com o exorcismo pela dor de hoje somada às de ontem e o transformar desta em amor e compreensão, sem abdicar da capacidade de análise sobre o momento, num todo que não poderá ficar dissociado de qualquer dos componentes da realidade vivida.
    Será essa a que irá influenciar a que teremos de viver ainda.
    Convicções minhas, claro. Tirei-as dentro de mim porque comunguei com os dois poemas que postaste. E analisei o que sinto e o que me parece mais correcto, até porque o experimentei em mim.
    Há quem fale na cura pelo riso... Eu confio também na forma como se contorna e se exorciza a dor dentro de nós.

    ResponderEliminar