OUTRAS PUPAS

Outras pupas

07/05/2015

Da cegueira



Que sei eu?
Que sabes tu?
Que sabemos nós?

Da voz que estende a mão pedindo pão
do olhar que grita suplicando atenção
da cabeça baixa em desolação
desses humanos farrapos da civilização

Que sei eu?
Que sabes tu?
Que sabemos nós?

Dos vultos ocultos pela noite que esconde
a dor das lágrimas silenciosas
o desespero das mãos vazias
o abraço que guarda o nada
o uivo dum estômago vazio

Que sei eu?
Que sabes tu?
Que sabemos nós?

Para além do que o olhar nos permite
na azáfama, na correria do que dizemos ser vida
da vida desses anónimos
que hoje nos são antónimos
e amanhã  ser-nos sinónimos

Que sei eu?
Que sabes tu?
Que sabemos nós?

*****
2015-05-07
nn(in)metamorphosis


7 comentários:

  1. Sentenciados pela civilização ao culto da matéria.

    Mas... que sei eu?

    ResponderEliminar
  2. Eu não sei nada! Esses vultos ocultos que a noite esconde já tiveram uma identidade, uma família, um amor, um filho, um trabalho. Agora nem o seu nome se ergue na sociedade. Apenas vazio e número que poderei também vir a ser eu!
    Magnifico olhar o teu.
    Beijo enorme de gratidão noname.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse medo de engrossar o número, paira por sobre cada um de nós, aqueles que ainda não ouviram a sentença...

      Eliminar
  3. Imagem chocante, quer fotográfica, quer escrita que tende a ganhar terreno na sociedade.
    Deixo um beijo com carinho.

    ResponderEliminar
  4. Com tantas organizações maçónicas, vivemos num triste país onde ninguém consegue tirar as pessoas das ruas...Essas porras chocam-me como o caramba!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é doença deste país, é uma peste generalizada por todos os países, a chegada a duas únicas castas: Os muito ricos e os muito pobres, que enriquecerão ainda mais esse ricos. No fundo, apenas uma variante do próximo holocausto :-(((((

      Eliminar
  5. Assusta-me a cegueira, como se fizessem parte de uma paisagem, que esteve sempre ali, e a nossa pressa já não distinga que são vidas. E a cada dia se torna mais fácil cair lá...

    ResponderEliminar