29/06/2012

Já fui...


Já fui pássaro
sem bico ou penas
mas de voar sublime

Já fui palhaça
sem sapatos ou chapéu
mas de sorriso autêntico

Já fui amante
sem sexo ou prazer
mas de emoção profunda

Já fui vagabunda
sem esmolas ou serapilheira
mas perdida na mesma

Já fui mulher soldado
sem botas ou arma
mas com a honra no olhar

Já fui madre
sem crucifixo ou hóstia
mas banhada em fé

Já fui cavaleira 
sem cavalo ou armadura
mas carregada de princípios

Já fui mágica
sem pombas ou lenços
mas com o segredo guardado

Já fui prostituta
sem preçário ou nudez
mas com prazer para dar

Já fui caçadora
sem arma ou cartuchos
mas respeito pela caça

Já fui sonhadora
sem devaneios ou ilusões
mas sôfrega de felicidade

Já fui vítima
sem ódio ou rancor
mas com a dor do inocente

Já fui música
sem pauta ou instrumento
mas com melodia no olhar

Já fui tudo!
Agora sou apenas um sorriso de lágrimas molhado,
que esconde a força das palavras num silêncio que é só meu.

     *****
      2012-06-29 (Tiago Galvão Terles)
nn(in)metamorphosis


1 comentário: