31/01/2017

Da solariedade

Já perto da uma, e o sol ainda não deu  um  arzinho da  sua graça. Então, porque raio de graça havia eu de dar?

*****
2017-01-31
nn(in)metamorphosis 

 

25/01/2017

O mínimo necessário




 Perguntaram-lhe se queria ir. Sem hesitar, respondeu, sim. 
Só poderás levar uma mala pequena. 
Sorriu. 
Pegou a mala e disse: Podemos ir


*****
2017-01-25
nn(in)metamorphosis 





18/01/2017

Sol de inverno




Está frio. É verdade. O sol está lindo, mas não aquece o invólucro. É verdade. Mas, e ainda assim, o azul finíssimo misturado na imensa luz solar, aquece o ânimo, faz abrir os olhos de espanto à beleza despida das árvores, ao peso da geada que as plantas frágeis, nos jardins, suportam estoicamente, às gotas de água, formadas pela condensação, suspensas e resplandecentes, que vaidosas, nos mostram as cores do arco íris. Aconchego o casaco, ponho o meu melhor sorriso e entro no café - chávena escaldada sem colher nem açúcar, certo? pergunta numa afirmação o "Dom patrão" - plagio o Xilre :-))  teria eu melhor a quem plagiar? Bem me parecia. Estava uma delícia aquele café e, agora, quente que está o ânimo e o invólucro, vou às favas enquanto as ervilhas enchem.

*****
2017-01-18
nn(in)metamorphosis

06/01/2017

Do lixo e do progresso

 
 
 
Desde há uns quantos anos, que decidi não acumular cacarecos inúteis , que me rouba espaço e tempo - já falei desse assunto AQUI   -  agora. o tempo é o de limpar a mente e dar real valor ao que na verdade me faz falta para ser mais feliz.
 
O mundo em que vivemos  é atravessado a cada segundo por informação meteórica, que mal conseguimos acompanhar. Coloca no vértice do tornado, agentes e vítimas de uma avalanche de mudanças a que nos habituamos a designar como progresso. Obviamente, que nos beneficia e facilita a vida, mas também cobra alto tributo, que a grande maioria tem  tendência a pagar sem sequer pestanejar. Fascinados pelos milagres tecnológicos e científicos, pelos tão sedutores e sofisticados artefactos que, hoje, somos capazes de produzir e consumir, abstraímo-nos do quanto eles nos privam das mais preciosas aquisições subjectivas, sociais e culturais.

Creio que foi Sócrates  que disse algo parecido com

"Estou apenas a observar quantas coisas existem e das quais não preciso para ser feliz."


*****
2017-01-06
nn(in)metamorphosis




02/01/2017

Quando o 2º é o 1º





Ah, o segundo dia do ano valeu por muitos dias. Não atravessei o rio junto à Serra do Pilar, não vi o velho casario que ser estende até ao mar. Cheguei a casa, por outro lado, pela A1 mas, ainda assim, aquele aperto no peito, aquela saudade, que nem  sabia ser tão grande, fez disparar o coração em festa. E vejo-me a passar de abraço em abraço, de beijo em beijo, de um -  tás na mesma prima - com aquele sotaque, que já perdi, mas que recupero 15 minutos depois, entre um - carago muaça taba a ber que morria sem te boltar a ber -  Este segundo dia do ano, levou-me às Antas, à Areosa, a Àguas Santas,  e que maravilha de sabores e texturas me deram o almoço em Pedras Rubras. E que calorzinho bom,  bom e muito, trouxe no regresso, tanto que me atrevo a dizer, vai durar até a uma próxima visita.

Este ano, o segundo dia, foi o primeiro dos muitos que espero, bons, para este ano que começa.

*****
2017-01-02
nn(in)metamorphosis

O post da AllwaysElis


Este vídeo é o que a AllwaysElis, menciona no comentário ao meu post "Feliz 2017"
É realmente interessante para ver e ser ouvido - deixo-o  AQUI
A verdade que todos sabemos
mas teimamos em não querer ver

 parece que somos burros mesmo :)

01/01/2017

Obrigada ano velho

E eis-me chegada a mais um ano novo, onde já me vou sentindo velha para estas correrias, de receber em festa, um ano que nem sabemos se nos vai premiar. Acabo de me dar conta que, deveríamos antes festejar o ano que finda, pelas coisas boas que nos deu,  sim porque um ano nunca é feito só de coisas más. Vou pensar nisso para o próximo fim de ano, entretanto estou cansadita de comer, de beber nem por isso, sou fraquita a beber, mas dancei até mais não poder, tive razões para rir muito,  e estive no meio de gente de quem gosto muito. Ano velho, obrigada por teres existido. Que o novo, se não for melhor, seja pelo menos igual a ti.

*****
2017-01-01
nn(in)metamorphosis