26/09/2016

Das (des)mudanças



Acordei cedo. Cedo e contemplativa. Olhando o tecto branco, qual ecrã de cinema, ia vendo passar cenas e mais cenas, umas em câmara lenta, outras a uma velocidade que mal se distinguiam. Mais um ano se passou e tudo mudou sem que nada mudasse: Um dia acaba e outro começa; o Verão finda e o Outono chega; a alegria hiberna, a esperança passa e, até a falta que se faz, o tempo cura.
E tudo muda sem nada mudar, e nunca isso foi tão óbvio como hoje.


****   
2016-09-26
nn(in)metamorphosis 


24/09/2016

Guardo um rio em mim


É no rio que em mim corre, que me percorro em tons de azul e fogo -
cor das minhas invictas raízes e do céu que nunca morre - cor do pôr do sol na savana e das terras do semba. E minha alma feliz, pintou no meu corpo,um imenso campo de flores de todas as cores e de todos os perfumes



*****
24-09-2016
nn(in)metamorphosis 

22/09/2016

Outono



Inicia-se hoje, 22 de Setembro, exactamente às 15h21.

O equinócio de Outono de 2016 



ODE AO OUTONO

1

Estação de neblinas, doce e fecunda!
Companheira íntima do sol, com ele vais,
Quando ele abençoa e inunda
De frutos as videiras junto dos beirais;
Pra vergar de maçãs a musgosa macieira
E a fruta por inteiro tornar madura
Pra inchar as cabaças, prà avelã ficar gorda
Com uma doce amêndoa; há flores com fartura
Pra que a abelha as tenha sempre que queira
E pense haver dias quentes a vida inteira,
Pois o verão seus favos pegajosos transborda .

2

Quem não te viu já de fartura rodeada?
Às vezes, quem te procura sob outros céus,
No chão dum celeiro encontra-te descuidada,
O vento da limpeza ergue-te os cabelos.
Ou num rego meio-ceifado, em fundo torpor,
Tonta do perfume das papoulas, parada
A foice, junto da ceara a ceifar te demoras;
Às vezes, tens direita, qual rebuscador1,
A pesada cabeça, ao passar a ribeira;
Ou, junto de a prensa, observas tranquila
A cidra a gotejar no fluir das horas.

3

Que é das canções da Primavera? Onde hão-de estar?
Esquece-as, tua música também tem valor –
Nuvens orlam o dia morrendo devagar
Tingem os restolhos de sua rósea cor;
De os mosquitos a dorida serrazina,
Crescente, entre os salgueiros do rio se ouvia,
Diminuindo, se o vento fica mais brando;
Os cordeiros balem na próxima colina;
Cantam grilos, alto, mas cheios de harmonia,
Num quintal, pisco vermelho assobia,
E as andorinhas chilreiam nos céus em bando.

John Keats (1795-1821)

16/09/2016

07/09/2016

Da saudade



A mais bonita explicação para a saudade, que já ouvi ou li, e por isso mesmo, trago para aqui, mesmo sem autorização do dono. É que, não vá o diabo tecê-las e ele, o dono, xilre , se afastar da blogosfera, e eu, e vós, deixarmos de a poder ler.

 *****

 Explicação plausível 

Sabes, queria dizer-te da minha mais recente descoberta, de uma explicação plausível que procurava e que encontrei, ou penso que encontrei, por fim. O efeito da saudade é como, deixa-me arranjar uma imagem para melhor ilustrar, uma desidratação da alma. Sem fluído que a aglutine, esboroa-se, pulveriza-se, a brisa arrasta-a, numa inexorável erosão. Hoje, quem estivesse atento, ao final da tarde, veria o pó da minha alma a brilhar, efémero e cintilante como uma chuva de fagulhas, a contraluz do sol.


06/09/2016

Postcrossing


Manhã cedo, olha o quebrar da onda, pelo meio da neblina. Tira as sandálias, e dá o primeiro passo no areal. Sente nos pés um friozinho que lhe sobe à espinha, e a arrepia num prazer, enganoso, de liberdade. Inspira, demoradamente, e o cheiro a mar, e a iodo, inebria-a. O mar lava tudo, incluindo a alma e as saudades de outro mar e outras marés que, estão para lá da linha recta que é curva e a que chamam horizonte. Desaparece na densidade da neblina. Os gatos continuam pardos.


***
2016-09-06
nn(in)metamorphosis