12/01/2014

Desarvoradas obscuridades



Chegas tão devagarinho
que quase te consomes
nas sombras que me visitam
quando, ao abandono
escrevo palavras soltas.
A lua não apareceu
talvez tenha encalhado
na madrugada da noite anterior
quando já dormias.
E as estrelas, essas
rumam desnorteadas
neste mar de letras
que se queriam
oceano de palavras
mas se dissipam nas dunas
que não foram nossas.


 *****
2014.01.12 
 nn(in)metamorphosis

3 comentários:

  1. Bonitas dunas nas tua rimas.....

    ResponderEliminar
  2. Talvez um dia, palavras e dunas, desarvoradas de sentires se cruzem num canto de ti.

    ResponderEliminar
  3. Esquece-te de sentir, poeta,e vive!
    Só tens esta oportunidade...

    ResponderEliminar