30/04/2013

Sussurros ou gritos abafados?






Quando decidi ter um blog anónimo, fi-lo para poder rir, falar, gritar, fazer beicinho, chorar baba e ranho, disparatar, aliviar o fígado com uns palavrões, sem ninguém a encher-me a mona. Quatro anos depois, pasmo, ao ler-me sussurrando educadamente, ahahahahah


          *****
        2013.04.30
nn(in)metamorphosis


27/04/2013

No corpo


De:Ferreira Gullar



De que vale tentar reconstruir com palavras
O que o verão levou
Entre nuvens e risos
Junto com o jornal velho pelos ares


O sonho na boca, o incêndio na cama,
o apelo da noite
Agora são apenas esta
contração (este clarão)
do maxilar dentro do rosto.

A poesia é o presente.


Recebi de: A.Godinho



25/04/2013

Perdidas as palavras ou silêncios que completam




Não, eu não sumi, mas sumiram as palavras, a rima, a prosa, até a vontade de gritar sumiu, imersa, submersa, cansada e sem forças, sem meios nem fins pra se justificar
Talvez
e digo talvez
numa hora qualquer, volte a inspiração, a vontade de falar, se acabem os senãos 
regressem as palavras
perdidas
nos somente nãos
por ora, nada a dizer, está tudo engaiolado, apertado, aprisionado
somente
a cada manhã
um passo atras do outro e resistir, persistir e esperar que voltem as palavras
perdidas
neste silêncio
que agora me completa


**************** 
          2013.04.25
   nn(in)metamorphosis

16/04/2013

Tempero... o tempo...




Tempero… O tempo de espera, com a brisa iodada
Tempero… A saudade, com o sabor (a menta) do beijo deixado
E teço… o abraço da chegada
intenso
apertado
com textura de pele
macia e molhada


**************** 
         2013.04.16
nn(in)metamorphosis

13/04/2013

Velas e vinho, prosas e carinho




Obra do acaso, obra do destino
Coisa da alma, coisa da pele
Velas e vinho, prosas e carinho
E o afecto traja de toque que não fere


*****
 2013.04.13
nn(in)metamorphosis 


12/04/2013

Voo na essência da chama


E quando penso
ter esquecido
do que é estar viva

chega
de manso
ou arrebatado
quem me escancara
os olhos prás cores
me insufla os pulmões

inicio um voo
velas enfunadas
rumo ao infinito

no sopro da alma
na essência da chama
que me diz
estou viva
me queima
e clama

*****
2013.04.13 
nn(in)metamorphosis