09/02/2013

Cantigas ao desafio XXIII



Elogio da dor

My restless soul cries out for a silent peace


Dor antiga que me recordas
O que gostaria de esquecer
Não fosse a memória perene
E minha vontade de viver
Derrubaria esta vida
Que, sendo minha, não me quer ser
Dor que me trazes memórias
Que o esquecimento não vence
Peço pela morte a desoras
Rogo-lhe a paz que não me pertence
Passa a nuvem, vai-se o tempo
Só me fica o desalento
Desta dor que asfixia
Do desgosto que me guia
E num copo de vidro sem fim
Perco a razão, esqueço-me de mim 

                   2012.02.04 vc
(Cópia integral e devidamente autorizado)

*****

Dor sem gosto

Pior que a dor que não se esquece
E que por isso tem gosto de ressaca
É a dor que não tem gosto
A que é eutanásia da aurora
A que é aborto da saudade
A que é estaca funda no peito
A que sufoca o grito

     *****
 2012.02.05
 nn(in)metamorphosis

Sem comentários:

Enviar um comentário