06/04/2012

Palavra proibida

Amor, Amar, Amo-te
Palavras que se sentem mas, que nos proibimos dizer


Porém, de uma forma ou de outra, todos nós o escrevemos, o cantamos, e fazemos dele a nossa procura, o nosso objectivo, mesmo que de forma inconsciente.

Todos, mesmo os que o rejeitam à boca cheia, precisam dele.

Porém,  do mesmo modo que o queremos, temos-lhe um medo atroz.

Uma coisa é senti-lo, outra é dizê-lo, talvez porque achemos que ele nos desnuda por completo, muito para além do corpo.

Pensamos e encasquetamos que nos fragiliza perante o outro, e todos o escondemos, o calamos,
uns outros escondem-se por detrás de um eu??? Amar??? Ahahah eu vivo o dia a dia, blá blá blá…
A paixão é o que conta, ter uma mulher, um homem ás costas? Nem pensar!! Dá vontade? A gente engata um/uma mas, de manhã que leve a cueca com ele/ela.
 
Ainda há dias, numa conversa com um homem ele me dizia. “Sabes, tenho tudo, alcancei tudo e não tenho nada, começo a sentir que chegar a casa e estar só, o que antes me satisfazia, hoje deixa-me triste e com sensação de vazio. As amigas coloridas, a cama preenchida por algumas horas, com paixão, com sexo, que satisfazem o tesão, já não têm o gosto que tinham, falta sentimento, carinho, ternura”.

Falta alguém que nos olhe e nos pergunte de nós, querendo saber de nós, digo eu…

È uma pena, que a única coisa que nos poderia tornar a vida sublime, a gente esconda, ficando um à espera que o outro diga… e a vida passe sem glória nessa espera.
E se vejam homens a correr para braços diferentes todos os dias ( e mulheres também) e se vejam olhares tristes, pintados de falsas euforias, com mãos ocupadas num copo de vida nocturna, onde o único brilho verdadeiro é o das lantejoulas, porque os ares de fêmea ou macho muito independente, muito auto suficiente se desmorona aos primeiros raios da manhã, mesmo que as bocas digam que são imensamente felizes assim… mesmo que mais uma noite passada a fazer sexo tenha sido de arromba… será que foi?

Será que isso basta?

Será que no final, sejamos tão só predadores?

Quem terá a resposta, eu não!!!

              *****
           2012.04.06
  nn(in)metamorphosis


Sem comentários:

Enviar um comentário