13/05/2010

Manta de Retalhos


Nasci …retalhinho de fino linho, num lar de amor criada
Com sedas, rendas e arminhos, minha vida foi ornada
Entre a cidade e o vale, a adolescência foi tecida
Cruzei o mar e vi… uma terra prometida
De terras vermelhas,  palmeiras  e mulembas
corpos morenos, noites quentes e muito, muito semba
Voltei cruzando os céus… de modo triste, perdida
Hoje sou uma manta, de retalhos, colorida
E, em cada um, sou EU, de várias cores e  tamanhos 
Há os de sonhos… perdidos, esquecidos, sonhados
Mas há tambem os reais… vividos, realizados
Lanço o olhar e descubro … naquele junto ao soalho
Nele, sou raio de sol, no outro, gota de orvalho
Naquele, jovem menina, lá além , sou sonhadora
Ali mesmo, despedida , mas aqui, sou trovadora
Olho outro, sou saudade, no seguinte, cor de papaia
Neste, sou oceano, naquele , areia da praia
Aqui, eu sou tristeza, mas ali, sou alegria
 Lá ao centro, eu sou música, e nas beiras, poesia
Tanto retalho… uma vida… do resto que há p’ra viver
Há aqueles, que não quis, e os que não quero esquecer
Mas em todos  sou amor!
E em alguns… gritos de prazer

**************** 
2010.05.12
nn-(in)-metamorphosis


11/05/2010

Sou assim... tão diferente?

Também eu, tenho dias “sim” e dias “não”

Sou assim tão diferente em relação aos outros? Vivo num mundo diferente? Não sinto eu as mesmas coisas? Sinceramente por vezes, muitas vezes, questiono-me!
Acredito na minha essência, acredito na pessoa que sou, e não concebo viver de outra maneira, afinal de contas, é a minha vida, como tal, porque teria que ser como os outros? Por ser politica e socialmente correcto? Não me lixem! Jamais serei hipócrita, porque isso me faria infeliz, não sou dona de verdades absolutas e por isso não sou avessa a mudanças, já alterei muitas coisas na minha forma de estar, sempre por opção, nunca porque "tinha que", mas não me peçam aquilo que não posso dar.
Nunca prometo o que não sei se posso cumprir, embora viva num mundo que funciona assim, mas não me queiram obrigar a aceitar tudo e acreditar nas promessas que ouço. Acredito em vontades de querer, mas que se resumem a isso mesmo, vontades. Se os objectivos são alcançados, óptimo, mas se não são, não crucifico ninguém, como tal, não admito que me queiram crucificar a mim. Tento, luto por causas e por tudo o que ache valer a pena, mas não invento nem crio falsas expectativas. 


Sou por isso diferente?
Sou?

Se sou, ainda bem que sou, porque vivo de bem comigo, e acima de tudo, à noite quando me deito, a minha consciência não me perturba. Se ser diferente é não especular, não intervir sempre, não querer mostrar sempre, o que sinto e o que sou, ter o direito de ter dias “sim” e dias “não”, então eu assumo, sou diferente...mas nunca deixo de ser eu!



**************** 
 2010 MAI 10
nn-(in)-metamorphosis


10/05/2010

Por favor...Seduz-me!...

Toca-me o corpo
Incendeia-me com o olhar
Sussurra ao meu ouvido
O que ambos sabemos querer
Conduz-me… eu sou terra e adoro o mar

Mesmo que seja dia
e não haja luar
Deixa que chegue a Lua,
por nós inventada
e quando chegar…

Beijemo-nos 
em cada poro
Respiremos 
em nossas bocas
Entrelacemo-nos
nos abraços dos nossos braços
Penetremo-nos,
o corpo e a alma
até desfalecermos
de prazeres insanos e de cansaços

Por favor...Seduz-me!...



*****************
nn(in)metamorphosis
10.05.2010







08/05/2010

Rimas, de amor rimadas

-->

Tantas histórias que imaginei
tantas histórias que escreví,
tantas palavras que rimei
e que tantas vezes lí.
Amor, em palavras tão rimadas
rimas, que nem sei onde achei,
falam de noites e madrugadas
de solidões acompanhadas,
do quanto eu esperei
Feitas só para eu mesma ler
escritas para o tempo passar,
prosas, quadras, para nunca esquecer
rimas que só eu senti e que só eu vou lembrar.

Sem momento certo para as compor
sem horas, para as escrever,
lembranças e desejos de momentos de amor
momentos de alegria e de sofrer.

Lembranças do tempo passado
da juventude, nunca esquecida,
um livro, não publicado
d’outros tempos... início da vida.

Passagens… dificil esquece-las
lutas, que não se vão apagar,
são como o brilho das estrelas
são sonho, luta, derrota e victória, são clarão do luar.

Vivências, que na minha mente injecta
recordações, que não vão morrer,
renovação criativa com esse poeta
que me ensinou e ainda me inspira,
na conquista de um amor
desde a noite ao amanhecer.

*****************
nn(in)metamorphosis

 08.05.2010